0

Chegou a hora de se planejar

Dicas para o seu planejamento para 2014

 

Entra ano e sai ano, conquistas que ainda continuaram em sua meta ou novas que virão com o novo ano, então, é preciso que você avalie o que passou neste ano e o que virá no próximo. Você conseguiu cumprir aquela desejada meta no ano passado? Caso a resposta seja sim, parabéns, mas há muitas pessoas que não conseguiram alcançar a conquista desejada, e isso deve-se a realização de algo de forma errada. O quê? Como fazer para que você consiga realizar neste novo ano o seu sonho? Não importa a meta para o próximo ano, é preciso que você primeiramente realize um planejamento pessoal, e para isso é muito simples, basta verificar as dicas listadas logo abaixo:

– Faça uma revisão do que é importante para você: Para que você não perca tempo à toa no próximo ano é preciso ter foco, assim questione-se sobre o que realmente é importante e o que deseja para o novo ano, mas responda sem dúvidas e com clareza. Quais são as atividades que você deverá dar ênfase no próximo ano? Quais serão as que ganharão destaque? Para auxiliar você nesta tarefa, crie uma lista com as atividades em “Foco” e outra de “Stops”, e em seguida conclua a mesma crie uma lista das prioridades, ou melhor, de maior importância. Desta forma, olhe para os cinco primeiros itens desta lista e planeja um plano de ação em sua agenda sobre cada item, independente qual seja ele.

– Não tenha vergonha, use uma agenda: É indicado que você passe a utilizar uma ferramenta simples e prática que lhe ajude a centralizar todas suas metas, e para isso não há nada melhor do que uma agenda.

– Não exagere na quantidade de metas: Fazer uma grande quantidade de planos poderá lhe atrapalhar na realização dos mesmos, por isso, não adianta de nada criar muitos planos. Desta forma, é preciso que você foque gradativamente em seus objetivos durante todo o ano, no entanto, é preciso que os mesmos sejam viáveis e relevantes. Como roteiro, saiba realmente o que você quer, saiba o quanto será necessário investir, e por fim, define-as. É interessante também que você crie uma lista do tempo de curto ou em longo prazo e de ações práticas para a realização de suas metas.

– Crie um ponto de controle: Este é um fator importante que muitos se esquecem, ou melhor, é preciso que você faça uma reunião consigo mesmo a cada bimestre, por exemplo, para uma revisão de suas metas, de seus “Focos” e “Stops”. Realizando esta tarefa você amenizará as chances de que a sua meta seja esquecida ou até mesmo cumprida.

– Fale e desabafe com alguém de confiança sobre suas metas: É indicado que você escolha uma pessoa próxima para dividir seus objetivos, para que a mesma ajude a manter seu nível de confiança, questione sobre seus planos e motivação. Tenha sempre um amigo por perto para lhe auxiliar no controle de seus objetivos.

– Coloque você em seu ano: Quanto mais tempo você tiver para si mesmo, maior será a energia para a realização de seus planos para o novo ano, sendo que é preciso que você inclua neste meio tempo atividades para lazer, prática de atividades físicas ou atividades para que você consiga “recarregar suas energias”.

 Publicado originalmente no blog (www.blogdicas.net).

  • Categorias: Aprendizado, Assessoria RH, Comportamento, Desafios, Planejamento
  • 0

    Gestão da Mudança


    Liderança pelo Exemplo - 18 de OutubroComo transformar adversidades em oportunidades.

     

     

     Por André Dametto | rh.com.br

    O uso da competência Gerenciamento de Projetos é cada vez mais comum nas organizações. Muitas empresas incorporaram esta disciplina gerencial como forma de inovar seus negócios, processos, produtos e modelos de Liderança. Apesar de ser notório o avanço das ferramentas técnicas, tais como cronogramas e orçamentos, grande parte dos projetos ainda termina com atraso e custando mais do que o orçamento inicial. De acordo com pesquisa do Stevens Institute, 85% dos projetos não cumprem o prazo, 70% superam o custo esperado, sendo que taxas de 200 a 300% não são incomuns.

    Resta, então, uma pergunta: como podem os projetos ainda apresentarem tantas falhas dada a existência de tantas ferramentas técnicas e gerencias? A pergunta já traz em si a resposta: todos sabemos que projetos são feitos por pessoas e para pessoas. Então, é de se esperar que os fatores humanos sejam a principal alavanca, ou ofensor, na gestão de um projeto. Segundo pesquisa de Benchmarking do Project Management Institute Brazil, a principal causa de problemas em projetos é a falta de comunicação, atingindo 76% dos projetos analisados. Dada à importância do fator humano (ou soft) é importante que ele seja tão bem gerenciado quanto o aspecto técnico (ou hard) nos projetos.

    A fim de equilibrar fatores hard e soft na Gestão de Projetos, a Gestão de Mudanças revela-se como sendo a competência (conhecimentos, atitudes, ferramentas e práticas) para alcançar e superar os objetivos dos projetos, transformando adversidades em oportunidades. Dentre estas práticas de “gestão com equilíbrio” destacam-se: o mapeamento das pessoas afetadas pela mudança (stakeholders), a identificação e a preparação do líder apoiador mais adequado para engajar estes stakeholders, além das ações de comunicação, treinamento e alinhamento constantes em todas as fases do projeto.

    Uma dica para começar a incorporar esta competência no dia a dia dos seus projetos é reconhecer a mudança como um processo, entendendo que a implementação da mesma é apenas a parte final da transição. Antes dela, existem duas fases fundamentais: o reconhecimento da necessidade da mudança e o diagnóstico da mesma. Esta análise se dá em relação a aspectos como pessoas envolvidas, grau de resistência das mesmas, velocidade necessária de evolução, dentre outros quesitos.

    Assim como um avião precisa de combustível (força positiva) e vento contra (força negativa) para decolar, é somente neste equilíbrio de forças que as mudanças organizacionais em um projeto serão sustentadas. Outra recomendação é avaliar se as forças positivas sobrepõem às forças negativas.

    Os resultados do investimento em ações de Gestão de Mudança são notórios. Segundo a consultoria britânicaChangefirst, para cada R$ 1 investido há um retorno médio de R$ 6,50. A pesquisa Best Practices in Change Management revelou que 95% dos projetos pesquisados afirmam ter atingido ou excedido os objetivos quando realizaram uma Gestão da Mudança bem estruturada, contra 16% de sucesso em projetos sem este cuidado. E você, gostaria de obter mais informações sobre o conceito ou ainda está resistindo ao mesmo? Entre em contato, vamos trocar ideias, pois minha missão é apoiar pessoas e organizações a transformar sonhos em realidade.

     Publicado originalmente no site (www.rh.com.br).

  • Categorias: Assessoria RH, Carreira, Competitividade, Comportamento, Desafios, Mercado de Trabalho, Qualidade de Vida, Recursos Humanos