0

Quer trabalhar com Meio Ambiente e Sustentabilidade?

Crescer de forma sustentável é o termo de ordem em todo o planeta. Mais do que isso, a preocupação com a preservação ambiental abriu um nicho profissional bastante promissor para graduados em diferentes áreas e com interesse em lidar com o meio ambiente.

O setor é bem abrangente e envolve desde estudos ambientais para grandes obras de infraestrutura, até o desenvolvimento de métodos de descarte de resíduos e afluentes com menor impacto possível na natureza. Nas empresas, de todos os portes e ramos, a sustentabilidade passou a ser requisito de sobrevivência e as demandas internas e externas dessa prática exigiram a criação de áreas e cargos específicos.

Profissionais requisitados – Nesse contexto, as maiores oportunidades para quem quer trabalhar no ramo são para técnicos em Meio Ambiente e engenheiros ambientais. Biólogos, engenheiros agrônomos e geógrafos também são bem-vindos para a formação de equipes multidisciplinares, principalmente nas grandes obras de infraestrutura, como usinas, aeroportos e estádios. Áreas de pesquisa ainda absorvem profissionais, preferencialmente com mestrado e doutorado.

Secretarias de Meio Ambiente estaduais e municipais também são pólos empregatícios, tanto por meio de concursos quanto para trabalhos eletivos ou temporários. Isso porque o tema engloba atividades relacionadas às questões urbanas como saneamento básico, controle de pragas, manutenção e preservação de praças e árvores, etc.

“Cada vez mais as cidades contratam especialistas – principalmente tecnólogos – em meio ambiente”, destaca a diretora de planejamento ambiental do município de Barueri, Yara Maria Gabelotto. Entre outras funções, as prefeituras também dão consultoria às empresas para qualificação na obtenção de certificações como ISO 14.000 e de licenciamentos, por exemplo.

Especialização bem-vinda – Apesar de existirem oportunidades para graduados em diferentes áreas, especializações complementares, como em reaproveitamento de resíduos, reciclagem ou culturas sustentáveis, são diferenciais para quem quer trabalhar no segmento. Em muitos casos, também é preciso ter disponibilidade para morar em locais remotos, por exemplo a Amazônia, onde se ergue a nova matriz energética brasileira.

Nível executivo – Há também um cargo gerencial que vem ganhando espaço, o gestor de ecorrelacionamento. Segundo João Paulo Altenfelder, professor de pós-graduação da FIA e FGV e sócio da SEI, consultoria em sustentabilidade, esse profissional atua na integração dos stakeholders, ou seja, todos os interessados no negócio da empresa, e também é responsável por adequar as áreas corporativas na obtenção de certificações específicas, como a recém-criada ISO 26.000, de Responsabilidade Social.

Altenfelder explica que, para fazer carreira nesse ramo, o profissional deve ter uma formação ligada à área de atividade da companhia, com especialização em sustentabilidade, preferencialmente em universidades de primeira linha. “O crescimento das áreas e comitês de sustentabilidade com foco nos stakeholders dentro das companhias também favorece a atuação das consultorias especializadas. Elas representam um celeiro de oportunidades nessa área”, diz.

(Publicado originalmente no ClickCarreira, 09/04/2012)

  • Categorias: Carreira, Contratação, Especialização, Meio Ambiente, Mercado de Trabalho, Profissional, Sustentabilidade