0

Para não se comprometer no trabalho com prazos apertados antes do carnaval, confira importantes dicas!

Muita gente se sente ansiosa com a chegada do carnaval, principalmente quando há viagem envolvida nos planos. E o que fazer com o volume de trabalho que não para de aumentar? Uma das dicas é manter a concentração em alta, principalmente durante situações em que a mente está “sonhando” com o feriado prolongado.

Um profissional concentrado mostra eficiência em suas ações e tem menos chances de cometer deslizes pela falta de atenção. Dessa forma, os resultados são gerados em tempo hábil e com qualidade. Veja só!

– Faça intervalos

É muito importante que a gestão do tempo seja feita de forma adequada, levando em consideração alguns fatores, como, por exemplo, o nível de ansiedade e agitação da pessoa. Se o caso for esse, é recomendável que haja intervalos de cinco a dez minutos a cada hora de trabalho. Assim não se perde o foco e as tarefas poderão ser realizadas de forma mais objetiva na volta.

-Crie filtros

Alguns desvios de atenção são decorrentes do fluxo contínuo de estímulos internos (pensamentos e lembranças). Dessa forma, com a mente repleta de assuntos fora do âmbito de trabalho, é altamente recomendável que você crie filtros para dar conta de realizar as tarefas com êxito.  Uma das dicas é fechar o email e algumas páginas de entretenimento (como redes sociais), além de deixar o celular mais afastado para não correr o risco de ficar procurando atualizações a cada cinco minutos. Isso favorece, e muito, a concentração e, consequentemente, os resultados!

– Planeje menos

O ideal é que os planejamentos sejam realizados considerando-se três dias “seguintes”. Entretanto, para aqueles profissionais que ficam ansiosos porque terão que trabalhar no carnaval, o ideal é planejar menos. Isso mesmo! Quanto menos o profissional se sentir pressionado a montar planos, menores serão os riscos de estresse e frustrações. É importante identificar o que pode ser feito antes do feriado e organizar o planejamento para a outra semana, sem acumulações.

-Faça uma tarefa de cada vez

Quanto mais atividades o profissional tentar realizar ao mesmo tempo, as chances de estresse e de apresentar resultados “pela metade” aumentam. O foco em cada tarefa é essencial para otimizar o tempo e concluir o que for necessário. Lembre-se: trabalhe sem desespero e fuja da desorganização!

Por fim, não deixe que as pendências te atrapalhem neste feriado. Aproveite esses dias com tranqüilidade e retorne à rotina com êxito!

  • Categorias: Carreira, Mercado
  • 0

    Essa é a hora de planejar a sua carreira!

    Daqui a alguns dias o mês de fevereiro termina, mas existem pessoas que ainda tentam cumprir promessas do início do ano, como fazer dieta, frequentar academia e traçar a carreira profissional. É muito importante estabelecer metas, mas o principal mesmo é tirá-las do papel para alcançar o sucesso almejado. Para isso, listamos 5 dicas importantes para quem quer melhorar a carreira!

    – Crie metas

    Pegue um caderno e pontue os objetivos que pretende alcançar em seis meses, um ano e cinco anos. Não se esqueça de escrever as condições e os processos através dos quais alcançará os objetivos.

    – Atualização profissional

    Sempre invista em você, nunca deixe de se atualizar com cursos de pós-graduação (e outros relacionados), novas leituras sobre a carreira e notícias sobre o mercado. Atualmente, conhecimentos em informática e em redes sociais são obrigatórios em alguns cargos. Workshops e palestras, em geral, contribuem muito para qualificar o profissional na hora de uma promoção ou de uma nova colocação. Fique sempre atento!

    – Outras línguas

    Hoje em dia, principalmente com a aproximação da Copa do Mundo e das Olimpíadas, estudar outras línguas é necessário em todos os campos de trabalho. Comece a se preparar o quanto antes, pois o mercado pede!

    – Networking

    Mantenha sempre contato com diferentes profissionais, uma das principais ferramentas que contribuem para a localização de melhores oportunidades, além de possibilitar atualizações constantes sobre o mercado. Crie também contas / perfis em redes sociais voltadas para profissionais e mercado, em geral, pois isso pode trazer bons resultados para sua carreira.

    – Mercado e desafios

    Prepare-se para novas experiências e desafios. O mercado atual exige cada vez mais do profissional e, para que aconteçam mudanças, ele precisa estar bem preparado e em dia com as tendências de sua área.

    E o mais importante: não tenha medo de arriscar!

  • Categorias: Carreira, Mercado, Mercado de Trabalho, Profissional
  • 0

    5 Dicas para saber o que os recrutadores gostam de ouvir em uma entrevista

    De nada adianta um currículo qualificado e com ótimas referências se na hora da entrevista com o recrutador o candidato se complica e não consegue provar se tem as competências técnicas para preencher a vaga. Em meio ao nervosismo e à insegurança, muitos não conseguem transmitir o que realmente precisam e, por isso mesmo, acabam se complicando.

    Para fugir dessa situação, confira 5 dicas para realizar uma entrevista boa o suficiente para conquistar a tão sonhada oportunidade de emprego!

    1- A verdade

    Por mais que seja um pouco óbvio, muita gente ainda escorrega neste ponto e acaba contando mentira durante a entrevista de emprego. Não são necessárias histórias épicas e completamente inacreditáveis. Quando isso acontecer, pronto, lá se foi um dos aspectos que os recrutadores mais valorizam: a verdade. Outro indicador de problemas é quando se usa um tom mais exagerado ao mostrar resultados, passando a assumir uma postura que não transmite quem você realmente é. Opte sempre pelo caminho simples e transparente.

    2- Resultados

    Ao falar da experiência profissional e descrever as responsabilidades, muitas vezes o candidato se esquece de mencionar um aspecto importantíssimo: os resultados alcançados. Por isso mesmo, se possível, deve-se ressaltar todos os benefícios que você proporcionou à (s) empresa (s) durante o período trabalhado.

    3- Pistas que mostram consciência sobre si mesmo

    É muito importante demonstrar firmeza nas respostas dadas para o recrutador, passando confiança e deixando claro que você tem consciência de quem realmente é. Além de saber dos pontos que precisa melhorar, é altamente recomendável que você foque também no que está fazendo para conseguir isso, ou seja, no caminho pelo qual está trilhando com empenho e dedicação.

    4. Fatos e dados que comprovem seu diferencial

    Depois de algum tempo de entrevista, chegou a hora de você finalmente provar por A mais B que é o melhor candidato. O mais importante nesse momento é focar nos aspectos que tornam você um profissional único, se destacando dos demais. É preciso colocar em cena de forma sutil todos os valores que  o tornam atrativo para a empresa, afinal de contas, muitas vezes as pessoas são contratadas pela competência, mas são demitidas pelo comportamento que apresentam. Reconheça o seu diferencial e tente mostrá-lo com segurança e coerência.

    5. Paixão

    Por fim, a expressão corporal do candidato diz muito na hora da entrevista, desde o jeito como fala e gesticula até o brilho nos olhos, que demonstra engajamento naquilo que faz. Toda essa emoção vale preciosos pontos, e isso é extremamente positivo para gerar efeito e conquistar o recrutador. Lembre-se de que o único passo para demonstrar a paixão pelo que faz é ser você mesmo, sem ressalvas.

    Boa sorte!

  • Categorias: Carreira, Contratação, Mercado de Trabalho, Recursos Humanos
  • 0

    Que tal 6 opções de carreiras para profissionais acima dos 40 anos de idade?

    Há espaço no mercado de trabalho para os mais experientes, mas a atualização deve ser constante

    A necessidade de mão de obra experiente tem aumentado cada dia mais. Para muitos especialistas, chegar aos 40 anos é uma chance de se reinventar e, para tanto, algumas insatisfações profissionais e pessoais precisam ser resolvidas! Por isso mesmo, antes de mudar de profissão, é altamente recomendável fazer uma avaliação completa para verificar o que você realmente gosta e quais são as suas possibilidades de recolocação no mercado.

    Tudo isso é claro, com muito empenho e dedicação. Confira então 6 opções de carreiras para os profissionais que querem dar uma virada na carreira!

    • Chef

    Se você gosta de cozinhar aos finais de semana e pretende um dia se tornar chef de cozinha de um hotel ou restaurante, saiba que é preciso muita dedicação e investimento em cursos. Há opções de cursos profissionalizantes, de graduação ou mesmo em renomadas escolas, como a francesa Le Cordon Bleu em Paris.

    • Consultor Financeiro

    Tem experiência na área financeira? Com visão estratégica e conhecimentos amplos em administração de investimentos, seguros e planejamento financeiro, o profissional pode se tornar um consultor. Um dos objetivos é o de assessorar financeiramente o cliente, seja de forma autônoma ou como empregado.

    • Personal Trainer

    Bem estar e saúde podem ser alcançados com regulares exercícios físicos. Vislumbrar uma profissão de Personal Trainer pode ser vantajoso para quem gosta de freqüentar academia e é adepto a exercícios físicos, em geral. Para atuar no mercado é preciso ter graduação no curso de Educação Física.

    • Coach

    Para se tornar Coach, o executivo deve ser experiente, pois precisará desenvolver habilidades e aptidões no profissional que o procura, tanto no campo profissional quanto no pessoal. Há cursos específicos de pós- graduação e especialização para os interessados em treinar novos talentos.

    • Mentor

    O processo chamado mentoring possibilita que o profissional compartilhe suas experiências e tire suas dúvidas com o tutorado. Além de ser apaixonado pela profissão, o Mentor deve saber dar feedbacks. É uma interessante área de atuação para agregar ainda mais valor à uma carreira.

    • Conselheiro

    Quem quer ser um conselheiro corporativo precisa ter bastante experiência na área. Atualmente, profissionais sêniores da área financeira e de infraestrutura têm muitas  vantagens em conseguir um cargo desse tipo.

  • Categorias: Carreira, Mercado, Profissional
  • 0

    Home Office: Segundo estudo, a mudança no trabalho remoto ainda não preocupa empresas

     

    Após decretada a lei 12.551, sancionada em dezembro de 2011 pela presidente Dilma Roussef, foi realizado um estudo inédito com 75 profissionais da área de recursos humanos de empresas que adotaram o chamado Home Office (trabalho em casa). A pesquisa foi referente às companhias que adotaram no Brasil esse modelo de negócios.

    O resultado foi positivo, pois somente 20% das empresas entrevistadas consideram essa forma de trabalho à distância um problema. Além disso, mais da metade destas empresas procuram firmar metas para acompanhar a produção de seus funcionários, e 40% das companhias marcam reuniões regulares na tentativa de mensurar o desempenho corporativo.

    De acordo com Álvaro Mello, coordenador da Cetel e responsável pelo estudo, a mudança da lei ainda não preocupa as instituições, mas é necessário conversar com os gerentes destes colaboradores para não haver desordem. “Ele precisa aprender a lidar com os colaboradores remotos. Como não vê seu pessoal, esse gestor pode ficar exigindo relatórios diários das atividades, o que não é adequado”, conta. Ele completa dizendo que este trabalho remoto é mais comum em áreas administrativas, técnicas, comerciais e nos atendimentos ao cliente.

    Mello ressalta ainda que as organizações que adotam o Home Office precisam também orientar os seus colaboradores e até proibi-los de trabalhar durante o tempo livre. Isso porque muitos acabam extrapolando os horários devido a um acúmulo de tarefas ou mesmo ansiedade provocada pela rotina, e não conseguem se desligar do trabalho.

    O estudo também divulgou as vantagens em trabalhar em horários ou dias flexíveis: a melhoria na qualidade de vida dos funcionários, a redução de custos fixos, aumento da produção e a retenção de talentos. De qualquer forma, muitas discussões em torno do tema ainda ocorrerão, e é preciso acompanhar com atenção os futuros desdobramentos na Justiça.

  • Categorias: Carreira, Empresas, Mercado, Mercado de Trabalho, Profissional
  • 0

    Experiência profissional é fundamental em uma consultoria

    O mercado de trabalho tem exigido consultores cada vez mais experientes. Engana-se, portanto, quem pensa que o diferencial é a idade. As contratações estão muito mais ligadas à experiência profissional do que outras competências.

    Segundo especialistas, um consultor jamais poderá ser considerado mais competente por causa de sua idade. A experiência de umprofissional está muito mais relacionada à forma como aproveitou seus trabalhos anteriores.

    Para desenvolver uma consultoria sobre uma determinada área, é fundamental ter experiência e bagagem naquele assunto. Um exemplo que ilustra essa situação é a consultoria de tecnologia. É muito comum nessa área consultores mais jovens, uma vez que pessoas mais novas costumam ter mais habilidade com esse assunto. Além disso, já existem diversos cursos no mercado para quem deseja se tornar um consultor logo no início da carreira.

    A função de consultoria exige muitas competências. Experiência executiva e know-how são imprenscindíveis. É preciso conhecer o mercado de trabalho, entender a necessidade do cliente para saber negociar e compreender as pessoas que atuam naquela área específica.

    Uma estratégia que rende bons resultados no trabalho de consultoria é a parceria de consultores mais jovens com aqueles de mais tempo de atuação. Os mais novos são mais arrojados e não têm medo de arriscar, já os mais experientes, por terem vivenciado mais situações, sabem da viabilidade de se adotar tal estratégia, por exemplo. É interessante e produtivo para o mercado um trabalho em conjunto entre os dois perfis profissionais.

  • Categorias: Carreira
  • 0

    O líder abandonou o barco

    O naufrágio na Itália do navio Costa Concórdia, da empresa Costa Cruzeiro, gerou bastante comoção ao redor do mundo não só pelos transtornos, mas pela forma como o acidente aconteceu.

    Francesco Schettino, o comandante do transatlântico, ignorou as regras de risco e mudou a rota sem autorização. O comandante – literalmente – abandonou o barco.

    A postura serve como referência para os executivos e a responsabilidade que o líder deve ter sobre a sua equipe e para o ambiente organizacional.

    A lição dessa história pode ainda ser levada para os recrutadores das empresas. É preciso avaliar as condições em que o executivo deixou o emprego anterior. Em que contexto ele saiu da empresa anterior? Quais foram as condições deixadas para trás? Se o executivo tiver abandonado a equipe em um momento de crise levando-a ao naufrágio, não pode ser uma boa recomendação.

  • Categorias: Liderança Executiva
  • 0

    5 dicas para se planejar antes de entrar de férias

    Férias são fundamentais para todos os profissionais, seja qual for a área de atuação. A qualidade de um trabalho está totalmente ligada ao equilíbrio e um período longe do trabalhoé fundamental para evitar problemas de saúde, como gastrite, dores de cabeça e outras doenças decorrentes do stress, além, é claro, de evitar comprometer o rendimento do colaborador durante a rotina.

    Nesse sentido, é importante também se preocupar com a qualidade das suas férias, o que requer um planejamento anterior.

    1. Descentralize e distribua tarefas

    Se você é líder ou gestor, antes de se desligar temporariamente, repasse as tarefas entre todos os seus funcionários. Além disso, peça que todas as atividades sejam documentadas e registradas com um email com cópia para você estar ciente no momento em que voltar do lazer.

    2. Invista em capital humano e crie sucessores

    Essa estratégia deve fazer parte da rotina de qualquer organização. Desenvolva, portanto, membros capazes de te substituir e continuar realizando um trabalho produtivo. É preciso ter pessoas-chave para poder contar diariamente e que saiba solucionar crises.

    3. Organize-se

    Realize todas as suas atividades e não deixe nada pendente, pelo menos, as tarefas e obrigações que dependam somente de você.

    4. Planeje suas férias

    Avalie a rotina de sua empresa e da sua área de atuação, e dê prioridade para tirar férias em um momento que a demanda de trabalho seja menor. Você evita, dessa forma, alguns aborrecimentos e tensões para saber se as atividades estão transcorrendo de forma positiva.

    5. Evite o uso de celular e/ou email

    Procure se desligar e aproveitar o tempo para relaxar. É fundamental dar uma arejada para voltar ao trabalho com mais ideias e bastante disposição para colocá-las em prática.

  • Categorias: Carreira
  • 0

    Como responder perguntas muito pessoais em uma entrevista de emprego?

    Você é ou já foi usuário de drogas ilícitas? Você já teve algum problema com a polícia? Como são suas relações afetivas? Essas são algumas perguntas invasivas e que podem gerar bastante desconforto no candidato a uma vaga de emprego.

    Questionamentos como esses, entretanto, são habituais em um processo seletivo, sobretudo, em empresas multinacionais. Essas perguntas são utilizadas por recrutadores, uma vez que exigem habilidade do profissional para respondê-las. O que está sendo analisado é a forma com que você lidará com a questão. Não agir com desconfiança ou de forma exaltada são as melhores atitudes neste momento.

    O recrutador não vai avaliar se aquela resposta é certa ou errada, mas, sim, a maneira com que você lida com questões embaraçosas. Responda honestamente e demonstre estabilidade e que tem capacidade de lidar com problemas. Agir de forma exaltada ou impulsiva revela que o profissional não tem muita inteligência emocional para lidar com turbulências.

    Deixe claro para o recrutador se aquela situação, sobretudo aquelas que ocorreram no ambiente familiar, o incomoda. Agir com maturidade é fundamental neste momento.

    Curiosidade: Foi publicada, recentemente, uma matéria no Valor Econômico com a relação das 25 perguntas mais inusitadas em uma entrevista de emprego.

    “Não vou falar nada durante 5 minutos, me entretenha”, “O que você acha de gnomos no jardim?” ou “O que você acha daqueles palhaços no congresso?” foram algumas das perguntas que apareceram na lista. Você está preparado para respondê-las?

  • Categorias: Entrevista de Emprego
  • 0

    Como pedir um aumento de salário?

    Com o aumento tributário do início de ano e da tarifa de ônibus, matrículas das crianças e mais o pagamento dos gastos realizados no final de 2011. Nosso salário parece ser incapaz de dar conta do pagamento das mesmas. Chegou o momento de pedir um aumento para o seu chefe. Mas essa parece ser uma atitude delicada de se tomar. É preciso apresentar argumentos consistentes para exigir um aumento salarial.

    Faça primeiro uma análise da cultura salarial da empresa em que você trabalha. Não adianta nada pedir um aumento se a empresa não apresenta uma política contínua de remuneração para os seus funcionários. Analise a saúde financeira dos clientes e fornecedores.  Se o cenário for pouco promissor ou que a organização não tenha o costume de recompensar os seus colaboradores, talvez seja melhor esperar.

    É preciso conhecer a realidade do mercado de trabalho em que você atua. Como a concorrência remunera seus colaboradores? Quais são as perspectivas salariais para 2012?

    Além de analisar o mercado e a empresa, é fundamental a sua avaliação profissional. Você tem superado as expectativas dentro do ambiente corporativo? Você tem sido proativo e trazido resultados para a empresa em que atua?

    Se a resposta for afirmativa para todas essas questões colocadas acima, é hora de preparar o terreno. Converse com o seu superior e agende uma reunião. Nela você deverá apresentar argumentos e dados que comprovem que você realmente é digno daquele aumento. Seja natural e jamais utilize um tom ameaçador.

    Caso receba uma resposta negativa, avalie as justificativas apresentadas pelo seu líder. Caso elas sejam de fato consistentes, tente utilizar a situação para o seu amadurecimento profissional e invista para aumentar sua habilidade para conseguir o reconhecimento financeiro esperado. Do contrário, talvez seja o momento para procurar um novo emprego. Segundo pesquisa divulgada hoje, o tempo médio de permanência de um profissional caiu para 2 anos e três meses. Passado esse período, os profissionais começam a ir em busca de melhores salários e novos desafios.

  • Categorias: Carreira
  • Páginas: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17